Quanto de aplausos você precisa?

Hoje vou falar sobre uma das nossas características mais profundas, e que nos causa muitas frustrações na vida: a necessidade de reconhecimento.

Todos nós, em maior ou menor grau, precisamos ter nossos feitos reconhecidos pelos outros. Somos humanos e esse reconhecimento é necessário por ser algo que equilibra a nossa autoestima. O que não podemos é viver dependentes deste reconhecimento.

Quando utilizamos a nossa afetividade com os cinco sentidos da alma e colocamos amor em tudo que fazemos, inclusive nas pequenas coisas como lavar uma louça, cuidar de uma planta, a necessidade de aplausos vai diminuindo. Ou seja, quando fazemos o bem apenas pelo bem já somos recompensados no ato.

A maioria das nossas ações ainda é muito baseada na esperança de receber algo em troca, muitas vezes isso é inconsciente, não percebemos. Mas basta o outro nos contrariar ou não atender as nossas expectativas jogamos na mesa tudo que fizemos por ele, o chamamos de ingrato, de insensível e nos sentimos as vítimas da situação. Se cuidamos de alguém doente, esperamos que no mínimo ele nos agradeça e fale bem de nós para os outros; se fazemos um favor, esperamos que o outro nos retribua quando necessitarmos; se trabalhamos muito em um projeto, esperamos que o nosso superior nos reconheça, seja com elogios, seja financeiramente. Esperamos, esperamos, e esperamos…sempre do outro.

Quando, aos poucos, vamos conseguindo ser menos metade, passamos a nos sentir mais completos apenas com nós mesmos. Assim, começamos a compreender mais quando o outro não nos corresponde, mesmo porque o outro é o outro e é diferente de nós. Afinal, não existe no mundo uma pessoa igual à outra. E cada um dá o que pode.

Precisamos aprender a sofrer menos quando não recebemos de volta o bem que fizemos, pois o amor verdadeiro é realizado no dar e não no receber.

Isso não significa ser passivo. Não quer dizer que devemos aceitar de volta a agressividade, a maldade, o desrespeito. Todos temos limites que devem ser estabelecidos e respeitados, mas para isso é necessário falar, pois o outro, apesar da nossa vontade, não consegue adivinhar o que estamos sentindo.

Aprender a não esperar reconhecimento alheio é uma luta diária. Quando não criamos expectativas não nos frustramos, não sofremos e nos tornamos um pouco mais inteiros, colocando a felicidade no que é real e não ilusório.

Uma ótima semana de ação no bem (sem esperar recompensa) para todos nós!

Meditação

21. Não importa o problema que você enfrenta, desvie a mente evitando a obsessão de si mesmo. Entregue-se ao trabalho para resolvê-lo, mantendo a confiança de que você irá vencê-lo.

4 comentários

  1. Oi Ana,estou aprendendo que primeiro tenho que ENTENDER o que está acontecendo para depois tentar resolver tendo a certeza de que irei conseguir.Estou pondo em prática,é trabalhoso mas não é impossível.Bjo

  2. Oi Ana, parabéns pelo texto!!
    Conforme você comentou, “Somos humanos e esse reconhecimento é necessário por ser algo que equilibra a nossa autoestima.” e “A maioria das nossas ações ainda é muito baseada na esperança de receber algo em troca, muitas vezes isso é inconsciente, não percebemos.” O quão esse sentimento, essa busca pelos “15min de fama” é reflexo do nosso lado animal? Todo homem tem essa necessidade?
    Grande beijo!

Deixe uma resposta para Sueli Garcia Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.