Juízo de razão: uma nova forma de ver o outro

_DSC6289

Uma das aulas de individuação que me marcou muito no primeiro ano do curso falava sobre juízo de valor e juízo de razão. Em um dos exercícios propostos, eram apresentadas diversas situações do dia a dia em um quadro, e tínhamos que escrever na frente de cada uma um juízo de valor e um juízo de razão. Sobre este último, sofri muito para conseguir. Para melhor compreender a minha dificuldade, vou explicar a diferença entre um e outro.

Juízo de valor faz parte da nossa consciência egocêntrica, quando pensamos apenas em nós mesmos, buscando atender necessidades de segurança e reconhecimento. É quando julgamos o outro, sem respeitá-lo, baseando-nos apenas no nosso padrão (imperfeito) e na capacidade que acreditamos ter de saber o que é certo e o que é errado. Agimos sem tentar compreender o comportamento alheio, somos agressivos e rotulamos. Ex: Você é um burro, grosseiro, revoltado!

O juízo de razão gera movimento de crescimento, mostra preocupação com o outro e procura compreender, sem acusar. Não significa passar a mão na cabeça e fingir que nada está acontecendo. Muito pelo contrário, o juízo de razão educa, impõe limites, faz pensar e refletir sobre as atitudes e incentiva a mudança positiva. Ex: Tenho percebido que está perdendo a calma com facilidade ultimamente. Você está com algum problema? Posso te ajudar?

Enquanto no juízo de valor utilizamos o verbo ser no juízo de razão utilizamos o verbo estar, pois como seres em evolução não somos, mas estamos momentaneamente de um determinado jeito.

Neste exercício, descobri que infelizmente o juízo de valor está introjetado no nosso modo de ser tão fortemente que o fazemos sem pensar, é algo automático. A grande dificuldade que tive em realizá-lo me fez pensar o quanto eu julgava (e ainda julgo), mas foi importante para estabelecer mais uma meta de mudança na minha vida.

O processo é trabalhoso, mas possível, e a cada conquista me motivo a continuar. Abaixo segue uma pequena parte do exercício. Faça um teste, de acordo com os exemplos acima, e veja como você está se comportando em relação ao outro. E não se julgue, lembre-se que o universo conspira, nos dando todos os dias a oportunidade de fazer um pouco mais.

 

Situação                                                 Juízo de Valor                                     Juízo de Razão 

1. O outro está acomodado

 

2. O outro nunca ouve você

 

3. O outro é extremamente ciumento

 

4. O outro não admite seus erros

 

5. O outro está agressivo

Um comentário em “Juízo de razão: uma nova forma de ver o outro

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: