Fale, não cale, não cale!

Olá amigos, bem-vindos de volta, faz tempo que não passo por aqui. Quarentena e filhota em casa não sobra muito tempo, mas vamos que vamos.

Hoje vou abordar a importância de falarmos o que estamos sentindo nas nossas relações. Tudo o que não falamos traz algum reflexo negativo em nosso corpo, mente ou nervos. Portanto, não tenha medo, fale.

Temos uma dificuldade enorme em falar o que sentimos por medo de perder o amor do outro, por medo de brigar, de ser mal compreendido, julgado. E, muitas vezes, guardamos tudo e as coisas vão tomando proporções gigantescas, até que de repente explodimos por coisas “pequenas”.

O falar cura. O falar alivia, o falar é atitude em movimento.

Outra dificuldade enorme que temos é de falar não. Pelos mesmos medos acima. Somos educados a sempre falar sim para tudo e para todos, e agir diferente disso nos causa um incômodo, dando-nos a falsa impressão de não estarmos sendo bons e justos. O não é educativo, o não é amor, o não é limite. Limite para o outro, limite para até onde ele pode ir. O não bem falado nos ajuda a deixar de sermos pessoas permissivas e infelizes.

Podemos falar tudo, desde que encontremos a melhor forma, sem agredir o outro, sem desrespeitar e nos expressando com amor e empatia. Eu sei que não é fácil, é trabalhoso, principalmente quando estamos com raiva, decepcionados e/ou magoados. Mas esse é o nosso trabalho de evolução e autoconhecimento. Se precisa falar, mas está com o coração carregado, se acalme, espere um pouco, deixe a poeira baixar, mas não deixe de falar. Respire, pense, repense as palavras, olhe para dentro de você, veja o que é seu, veja a sua parte e então vá conversar.

O exercício de olhar para dentro é o grande passo para uma relação mais saudável e feliz. Aprender a falar o que sente dá a oportunidade para o outro fazer o mesmo.

Mas não adianta só falar, é preciso aprender a ouvir também, sem julgamentos. Respeite o que o outro fala, é como ele se sente, isso não quer dizer que ele tenha razão ou não. Respeite e terá a chance de ser respeitado também. Aprenda a tirar proveito das coisas que falam sobre você, olhe pra dentro e veja o que faz sentido, não sinta tudo como crítica negativa. Fale como se sente, sempre.

A terapia é uma grande ferramenta para a fala, conversar com alguém que não vai te julgar e quer te ajudar a enxergar a vida com outros olhos dá alívio e esperança. Dentro do processo analítico você passa a se conhecer melhor, e, aos poucos, vai aprendendo a falar melhor.

Ainda não aprendemos a falar. Somos crianças engatinhando nesse processo. O medo muitas vezes nos paralisa e não nos deixa expressar o que está dentro de nós. Mas não vale a pena. O preço a se pagar é muito alto.

Fale, treine antes, fale com você mesmo, fale com alguém neutro, e depois fale com quem tem que falar. Não guarde, não “deixe pra lá”, não faça isso com você e nem com a sua relação. Uma relação saudável é uma relação onde os participantes possam se expressar sem medo e serem respeitados por isso.

Deixo aqui um abraço no coração de cada um e a torcida para que possam falar sobre os sentimentos com coragem e amor.

Até a próxima!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.