Os 4 gigantes adoentados em nós

        ImagemImagemImagemImagem

O egocentrismo foi a primeira forma de amor (por nós mesmos) que desenvolvemos. Com o tempo, passamos a perceber que precisávamos do outro, que juntos éramos mais fortes e então começamos a sentir o amor ao próximo. Apesar de estarmos sempre em progresso, ainda temos forte em nossa personalidade quatro estruturas egocêntricas que demonstram a nossa incapacidade de renunciar: acomodação, posse, sentimento de superioridade e sentimento de inferioridade.

Estas estruturas egocêntricas nos tornam pessoas metades, invejosas, egoístas, julgadoras, agressivas e impedem o nosso crescimento moral e empático. Abaixo, uma breve explicação de cada uma delas:

1)      Acomodação – incapacidade de renunciar ao descanso. É a causa da preguiça e não nos deixa realizar o que seria produtivo para nossa vida, como ler, trabalha, estudar, ajudar, impedindo o nosso crescimento em todos os sentidos. 

2)      Posse – incapacidade de renunciar ao nosso tempo, às coisas materiais e às pessoas. A posse nos torna egoístas, fechando a nossa afetividade para as necessidades do outro e fazendo com que nos vejamos como donos do que apenas é empréstimo para a nossa evolução. 

3)      Sentimento de superioridade – incapacidade de renunciar às vaidades, sejam elas físicas, intelectuais ou espirituais, reafirmando a nossa necessidade de ser reconhecido para ser feliz.  Este sentimento nos transforma em pessoas orgulhosas, presunçosas e prepotentes, passando por cima de tudo e de todos para manter a nossa autoestima alta. 

4)      Sentimento de inferioridade – incapacidade de renunciar à busca da felicidade através da superioridade. O sentimento de inferioridade é decorrente do orgulho de não se aceitar como é. Está ligada aos preconceitos e frustrações por qual passamos durante a vida e registra em nossa mente defeitos e imperfeições. Quando nos sentimos inferiores queremos o consolo de todos e que o mundo gire ao nosso redor, nos vitimando e perdendo as oportunidades da vida.

Quando agimos e vivemos baseados nessas estruturas, pensamos apenas em nós mesmos, criamos expectativas em excesso e sofremos muito quando não somos atendidos. Também exigimos muito do outro e damos pouco, julgamos e nos comparamos, agindo com ironia e/ou falsidade para sermos reconhecidos e continuarmos em nosso mundo de felicidade ilusória. Perdemos tempo nos apegando em excesso ao que não é importante, deixando de lado as milhares possibilidade que cada dia nos dá de sermos melhores.

A quantidade de más consequências que estas estruturas nos trazem deve servir de ponto de partida para que possamos, primeiramente, enxergar com os olhos da alma onde estamos errando, e começar lenta e gradualmente a nossa mudança interior. Lembrando-nos sempre de que não mudamos o outro, mas que quando mudamos a nós mesmos, o universo conspira e faz o que tem que ser feito, porque está tudo certo e a felicidade está dentro de nós.

Tenham uma excelente semana!!!

2 comentários em “Os 4 gigantes adoentados em nós

Adicione o seu

  1. “Olhar de Contemplação”,aquele que nos permite sentir e não apenas enxergar a FELICIDADE!Estou tentando.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: